CPI da Epidemia do Crack realiza debate sobre problema das drogas no Estado

Compartilhar

SÃO PAULO – Assembleia Legislativa (Alesp) retomou nesta quarta-feira (04) as discussões relacionadas aos problemas da Cracolândia – denominação para a população em situação de rua que ocupa uma área no centro da capital. Na pauta, destaque para a importância das atividades sociais visando à recuperação dos dependentes químicos e das policiais instituídas para reprimir o tráfico de drogas.

Os temas estipulados pela CPI da Epidemia do Crack (Comissão Parlamentar de Inquérito), que investiga o crescimento do uso desta droga no Estado, foram tratados por especialistas em diversas áreas. “Esta é mais uma tentativa de o parlamento avançar em sua contribuição ao problema que afeta milhares de famílias no território paulista”, comentou o deputado Edmir Chedid (União).

De acordo com o parlamentar, o intuito também é encontrar soluções multilaterais para a situação da Cracolândia na capital. “Por isso, o Poder Legislativo tem promovido estas discussões relacionadas às atividades sociais (tratamento e ressocialização) e, principalmente, e de combate ao tráfico a partir da atuação das polícias Civil e Militar na região central da capital paulista”, acrescentou.

As discussões contaram com a participação do promotor de Justiça Arthur Pinto Filho, do Ministério Público do Estado de São Paulo (MP-SP), dos médicos psiquiatras Leon Garcia e Pablo Miguel Roig; e ainda dos delegados Jair Barbosa Ortiz, responsável pela que busca encontrar traficantes na Cracolândia, e Ronaldo Sayeg, do Departamento de Investigações sobre Narcóticos (Denarc). 

“A intenção é garantir que, após as discussões realizadas pela CPI da Epidemia do Crack, o Poder Legislativo possa elaborar um documento que contribua efetivamente com essa problemática aqui no Estado. Também poderemos apresentar Projetos de Lei que contribuam não só com as atividades sociais, mas policiais de combate ao crime organizado”, finalizou o deputado Edmir Chedid.

Imagem: Área ocupada por dependentes químicos no centro da capital paulista.

Redes Sociais
Facebook | Flickr | Instagram | TikTok | YouTube.
Pelo celular, no WhatsApp.

Informações
Anselmo Dequero
Assessor de Imprensa
imprensa@edmirchedid.com.br
(11) 99952 1200

SÃO PAULO, 05/10/2023

Rolar para cima